Resenha: De Repente – Nichole Chase

resenha_derepente

Sinopse:
Samantha Rousseau é uma garota que está acostumada a sujar as mãos. Ela faz mestrado em biologia da vida selvagem enquanto ajuda a cuidar de seu pai doente. Logo, não tem tempo para fofocas de celebridades, roupas da moda ou férias em algum paraíso do Caribe.
Quando a duquesa do pequeno país da Lilaria a convida para jantar, Samantha pensa que é para discutir uma doação para sua pesquisa universitária. Mas a verdade mudará o curso de sua vida de uma maneira que ela nunca sonhou.
Alex D’Lynsal, príncipe da Lilaria, já rendeu muitas manchetes escandalosas à imprensa. Mas as últimas fotos divulgadas o levaram a fugir para a América e desistir de vez das mulheres. Isto é, até ele conhecer Samantha! Ela é teimosa, determinada e incrivelmente sexy. Sem mencionar que é herdeira de um Estado inteiro, o que a coloca constantemente na primeira página de qualquer jornal.
Enquanto Sam aprende a viver em um mundo de política e riqueza, ela também precisa se esquivar de seus sentimentos crescentes por Alex. Afinal, se entregar a eles significaria mais do que apenas se apaixonar; significaria aceitar o peso de uma nação sobre seus ombros.

separador

Então né, fico tão triste quando eu to na fissura de ler um livro, quase dando as loucas, praticamente ensaiando uma sincope digna e o bendito não me conquista daquele jeito que eu adoro.
Fiquei encantada com a carinha do dito e da sinopse, mas o desenvolvimento não foi bem como imaginei.
O problema é que quando peguei De Repente, achei que seria um NA. Enquanto avançava na leitura, percebi que ele não era bem um NA e estava ficando com cara de chick lit, mas acho que também não era exatamente um chick lit. Talvez uma mistura dos dois?
Eu tenho um tombo grande, mas GRANDE mesmo por chick lits. Geralmente os romances abordados nesse gênero são bem lights. O foco é sempre a mocinha. O mocinho é quase um coadjuvante. E essa categoria sempre tem uma pitada cômica. Já no NA, a gente sabe que o foco é o casal, o drama do casal, os problemas traumáticos do casal e blá blá blá.
Eu realmente não consegui decifrar o grupo que o De repente se encaixa. Acho que lembra um pouco de livrinhos de banca, talvez. Não que eu tenha algo contra livrinho de banca. Muito pelo contrário. Eu amo um livrinho de banca. AMO!!! Mocinhos gregos, machos alfa, clichês perfeitos e absolutos…uiuiui ADORO!!! Principalmente quando não quero mergulhar muito na leitura…sabe aqueles momentos que você quer sim, ler, mas não quer nada muito profundo e tal? Cata um livrinho de banca!
Mas a questão é que quando eu peguei DE Repente, eu não estava na vibe livrinho de banca! Entende?
Eu sou completamente curiosa, adoro uma fofoquinha literária, um “causo” e tenho praticamente TOC cronológico durante minhas leituras. E terminar o livro SEM SABER A IDADE DA MOCINHA PRA MIM É DIGNO DE CAPS LOCK E DRAMA MEXICANOOOO!!!! SIM!!! (se alguém leu o livro e viu ali a idade da Samantha, por favor, entre em contato comigo!!! Vai que eu caí no sono bem nessa parte?)

— Alfred?
A boca do príncipe sorriu de um lado, revelando uma covinha, e eu me perguntei se uma covinha poderia matar uma pessoa. Era bem possível que eu estivesse tendo um ataque cardíaco naquele exato momento.
— É esse o nome dele?
— Ah, você sabe. Ele se parece um pouco com o mordomo do Batman, mas sem o senso de humor.
Estremeci. Eu estava falando com um príncipe, um príncipe de verdade, e minha primeira interação com ele era descrever um personagem de uma história em quadrinhos. Pelo menos eu não era uma babona que ficava só olhando para a cara dele.
— Eu me recordo vagamente de alguma coisa sobre Batman e seu mordomo.

Não que seja só pelo fato de não saber a idade da mocinha que eu me decepcione um tantico. Seria muita imaturidade da minha parte (tá que as vezes criancice é meu nome do meio, mas isso não vem ao caso). Não vou negar que minha TPM ajudou, mas a autora não facilitou nada, nada pra mim gente!
Nichole criou uma mocinha bem ao estilo chick lit. Samantha é independente, tem dramas na vida sim, mas é bem resolvida. Ela é bem engraçada no começo da história. Queria essa característica mais acentuada, mas foi bem superficial, infelizmente. Já a história com o mocinho tem cara de um livro NA, com direito a ceninhas beeem quentes que não encontramos nos chick lits por aí, mas o desenvolvimento do casal, no meu ver, foi raso, típico de banca. O mocinho, nosso Príncipe Alex, tem um passado que eu sou louca pra cavucar bem fundo, mas só pude, no máximo, dar umas capinadas na grama. Samantha foi a mesma coisa. Custa eu saber mais sobre o passado deles? Custa escrever mais umas miseras linhas? Ou tirar metade da encheção de linguiça e colocar algo que me interessa??? Espero que ela mergulhe mais nesse passadinho infame do príncipe no livro 2!!!
Não é má vontade da minha parte, mas outra coisa que me incomodou deveras foi a questão dela com o PAIdrasto…ela tomou umas atitudes injustificáveis, que claro, dentro do livro fizeram sentido, mas que pra mim, não sustentaram as ações dela.
Eu não vou dizer para você que não indico o livro (tenho dito essa frase demais da conta por esses dias). Mas não vai que nem um camelo morto de sede ao pote, porque TALVEZ você se decepcione um pouco. Vai de boa e curte a vibe “não tenho nada melhor pra ler no momento”. E lembre-se de que o livro não é único, é serie!

34estrelas

Por Anna Camila

3 pensamentos sobre “Resenha: De Repente – Nichole Chase

  1. Pingback: Capa: Imprudente – Nichole Chase |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s